quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Macau, Património Mundial

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



A Biblioteca Municipal do Seixal irá acolher entre 12 de Dezembro e 6 de Janeiro a exposição «Macau, Património Mundial», com trabalhos de fotografia que fazem referência aos 25 monumentos históricos de Macau inscritos na Lista da UNESCO, enquanto Património da Humanidade.

No ano em que se comemoram 30 anos do reatamento dos Laços Diplomáticos entre a República Popular da China e Portugal e 10 anos da criação da Região Administrativa Especial de Macau, esta mostra visa dar a conhecer esta zona, levando-nos a por um itinerário que começa no extremo sudoeste da península, no Templo de A-Ma, percorrendo uma grande parte da cidade, em direcção a nordeste, até chegar à Casa Garden e ao Cemitério Protestante. Os vinte e cinco monumentos deste itinerário incluem edifícios de cunho público, privado e eclesiástico, como por exemplo o Quartel dos Mouros, o Teatro Dom Pedro V, o edifício do Leal Senado, bem como igrejas e templos.

A exposição foi produzida e é cedida pelo Centro de Promoção e Informação Turística de Macau em Lisboa e inclui-se no âmbito "Dinamização do Espaço Intercultural 2009".

A abertura terá lugar no dia 12 de Dezembro, pelas 17h00, estando previsto um pequeno lanche com especialidades gastronómicas de Macau.

Sessão Livre de Poesia

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA



Sessão livre de poesia na Biblioteca Municipal de Palmela.
Dia 12 de Dezembro às 21h00.

Convidam-se todos os poetas e amantes da poesia a vir aquecer este serão com poemas preferidos, vossos ou de outros poetas. Todas as estações do ano são Estações de Palavras – palavras de que é feita a linguagem, a poesia, a vida humana. Em cada estação convidamos os poetas, aprendizes de poetas, leitores e ouvintes de poesia para um serão na Biblioteca Municipal de Palmela. A quarta sessão de poesia tem como estação envolvente o Outono.

Venha partilhar a sua poesia.

Apresentação do Livro "O Último Bandeirante"

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA



Apresentação do livro “O último bandeirante”, do jornalista e apresentador da TVI Pedro Pinto. Biblioteca Municipal de Palmela, dia 19 de Dezembro, 16h00. Com a presença do autor. Sessão de autógrafos.

Sinopse

”Quando Raposo Tavares atacou a Missão Jesuíta de Jesus Maria, o seu objectivo era conquistar a região do Tape em nome da Coroa portuguesa e destruir o sonho do Superior Diego de Trujillo, seu inimigo de longos anos. Estava longe de imaginar que começava ali uma corrida de vida e morte à maior bandeira de sempre em terras do Brasil. Com as mãos sujas de sangue, a roupa a cheirar a queimado e milhares de índios aprisionados, Raposo Tavares, o maior bandeirante de todos os tempos, regressou à vila de São Paulo. Podia, finalmente voltar a sua casa, ao fabrico das suas estranhas infusões, ao desenho dos seus mapas e aos braços apaixonados de Maria Teresa. Mas, a partida estava novamente marcada. Era altura de regressar ao mato, de definir as controversas fronteiras de Tordesilhas, que oponha Portugueses e Espanhóis, e procurar um sonho de extraordinárias riquezas que não era o seu: o Eldorado que todos ambicionavam encontrar. Três anos depois, quando regressou a São Paulo, Raposo Tavares era um homem quase irreconhecível, marcado pela maldição do Amazonas.”

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Animação de Natal

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA



"Aqui à Piratas!"
Animação de Natal da equipa de animação infanto-juvenil da divisão de bibliotecas

Sinopse do conto “Aqui há Piratas”:
O Pirata Bolinha mostrou ao Capitão Magrinho que todos podem festejar o Natal, mesmo no alto mar. A amizade entre os dois tornou-se verdadeira e partiram à aventura por esse mundo fora, deixando para trás assaltos e batalhas.

Para as escolas de 1º ciclo e pré-escolares do Concelho de Palmela
9 e 10 de Dezembro – Centro Cultural do Poceirão
11 de Dezembro – Biblioteca de Palmela
14, 15, 16 e 17 de Dezembro – Auditório Municipal de Pinhal Novo

Público em geral - 16h00 ( entrada livre)
19 de Dezembro - Auditório Municipal de Pinhal Novo

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Flor de Sal

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



Conversas com a Escrita: Apresentação do livro Flor de Sal de Arlindo Mota dia 21 de Novembro de 2009 às 16:00 na Galeria Augusto Cabrita, Fórum do Seixal.

Flor de Sal, cujo prefácio é da autoria de José Barata Moura, é uma história construída em torno de factos reais ocorridos com uma pessoa comum, e que circunstancialmente foram ao encontro do autor. Arlindo Mota deixou-se tocar por eles e restitui-nos o conhecimento de acontecimentos que ensombraram a vida do protagonista real, sendo em torno deste que Arlindo Mota constrói a personagem principal do romance e todo o universo ficcional narrativo.

Do casamento infeliz de Maria Madalena e de como ela se acabara por livrar dele

«Maria Madalena tinha ainda bem presente a forma como tivera de enfrentar a sociedade da vila onde fora nascida e criada, tudo porque ousara libertar-se da clausura de um casamento infeliz, mesmo se o marido, alcoólico inveterado e mulherengo, lhe batia até deixar marcas, entre outras ofensas que preferia agora ignorar. Na inocência dos seus vinte anos, e se a princípio acolhera com resignação aquela escolha da família, uma revolta surda ia-se apoderando dela, até à gota de água de uma amante mantida pelo cônjuge, sem pudor ou recato. Desobedecendo à lei e aos costumes, resistiu tenazmente às fantasias libidinosas que Castro Franco, o marido, de quando em vez, sobre ela, qual presa agrilhoada, intentava prepretar. Valera-lhe a mãe, senhora bondosa e austera, que conhecendo o descalabro físico e moral em que a vida da filha se havia transformado, lhe fornecia discreto, mas vital apoio, naquela luta desigual pela dignidade. Ajudara-a até a afastar-se, a pretexo de maleita do espírito, para casa de uma tia, numa vila que distava mais de duzentos quilómetros por entre acessos ruíns. (...)»

Biografia

Arlindo Pato Mota nasceu em Troviscal (Oliveira do Bairro, Aveiro), mas foi em Lisboa que decorreu toda a sua infância e juventude, tendo estudado no Liceu Normal de Pedro Nunes. É licenciado em Filosofia e em Direito e Mestre em Ciência Política, área científica em que desenvolve doutoramento. Residente em Setúbal, exerce actualmente funções de consultoria e investigação universitária.

Cronista das publicações da Rede Sem Mais, onde foram editadas as crónicas que integram o presente livro, o autor tem uma longa história de colaboração na imprensa nacional e regional, no República Juvenil, Jornal de Artes e Letras, Notícias da Amadora, O Professor, antes do 25 de Abril, e já no regime democrático, no jornal Margem Sul (fundador e director), Diário de Lisboa, Repórter de Setúbal e nas revistas Património, Poder Local, Movimento Cultural, Binómio, entre outras.

Enquanto escritor, tem-se dedicado sobretudo à poesia, ao ensaio e à crónica. Flor de Sal é o primeiro romance do autor.

Bibliografia

2009 (Romance)
Flor de Sal, Publicações Folha d'Hera

2007 (Crónicas)
Alice no País do Faz-de-Conta, Publicações Folha d'Hera

2005 (Biografia)
Pescadores de Mar Muito - Testemunhos de Ângelo Sobral Farinha, Publicações Folha d'Hera, com João Martelo

2005 (Ensaio)
Governo Local, Participação e Cidadania, Nova Vega

2004 (Poesia)
A Seda das Palavras, Publicações Folha d'Hera

1999 (Ensaio)
Formas de Liberdade, Montepio Geral, fotos de Pedro Soares

1995 (Poesia)
Marca d'Água, Publicações Folha d'Hera

1986 (Poesia)
Incertos Dias, Publicações Folha d'Hera

Desdobrável Flor de Sal de Arlindo Mota

Estação do Livro 2009

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



De 16 de Novembro a 27 de Novembro de 2009 nas escolas concelhias do concelho do Seixal.

Estação do Livro

A Estação do Livro é época de livros, de pensar em livros, de falar de livros, de comprar livros e de lhes dar um espaço mais relevante na comunidade, fazendo das bibliotecas escolares espaços vivos, plenos de actividades. Mas Estação é também o lugar de encontro entre viagens, de paragem para reflexão antes de uma próxima aventura, que começa de cada vez que termina a anterior.

Este ano, entre 16 e 27 de Novembro, tal como nos anteriores, desde 2002, haverá nas trinta e uma escolas que integram a rede concelhia de Bibliotecas Escolares, inúmeras iniciativas de animação e promoção da leitura, que vão desde encontros com autores, ateliês, mesas redondas, exposições, workshops, entre outras.

Neste sentido, o Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares desenvolve a programação desta iniciativa contratando os dinamizadores, articulando agendas, realizando contactos e divulgando a iniciativa para o exterior. Por seu turno, as escolas organizam uma Feira do Livro e convidam escritores ou outras personalidades que animem, de alguma forma, a própria Feira do Livro e ganham ânimo, proporcionando aos seus alunos enriquecedoras experiências na passagem pela Estação do Livro.

Escolas envolvidas este ano

Todas as secundárias (5) e EB 2,3 (8) e 18 EB1, ou seja, todas as escolas pertencentes à Rede de Bibliotecas Escolares.

Destaques desta edição

Ver e Olhar – tema anual da biblioteca
Ateliers, oficinas, contos, leituras encenadas, jogos direccionados ao tema Ver e Olhar, no seu mais lato sentido – olhar o interior e explorar o eu, olhar a arte, representar, imaginar, criar histórias, tudo o que o Ver e Olhar pode alcançar…

Actividades

Pré-escolar:- Oficina Transforma(-Te)

1.º Ciclo:- Em busca de como somos únicos
- Leitura encenada de “O Ponto”
- Natal dell'Arte
- Não faz mal ser diferente
- Oficina de Ilustração
- Olhos pequeninos também vêem
- Um conto na floresta

2.º e 3.º Ciclo:
- Nos Montes de Viriato
- Palavras a brincar

3.º Ciclo e Secundária:
- 10 Gigas de Livros – O Enigma da Felicidade
- À descoberta de olhares + profundos
- A Perca
- Diz-se poesia na escola
- Lupublicidade
- On the road de Jack Kerouac
- O mundo maravilhoso de Tim Burton

Todos os ciclos:- Contos e Cantos (sobre Cabo Verde)
- Conto Tradicional (histórias que se vão perdendo no tempo…)
- Dentro de mim um tesouro
- Contos com olhos de ver (contos animados)
- Ver e olhar a vida
- Ioga do riso

Página do Projecto

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Acção de Formação - Política de Gestão de Colecções em Bibliotecas Escolares

SERVIÇO DE APOIO ÀS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO CONCELHO DE PALMELA E GRUPO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES DO CONCELHO DE PALMELA



Formador: Júlia Martins
Destinatários: Comunidade Educativa
Local: Auditório da Biblioteca Municipal de Palmela
Dia: 24 de Novembro
Hora: 14h30 – 17h30
Organização: Grupo de Bibliotecas Escolares do Concelho de Palmela

Aceitam-se inscrições através dos contactos:
Email: ocidades@cm-palmela.pt / mcarreira@cm-palmela.pt
Tel: 212336638

Júlia Martins é licenciada em Filosofia, pela Universidade Católica Portuguesa. Professora do quadro de nomeação definitiva da Escola Secundária do Bocage, em Setúbal.
Em 1997 iniciou a sua actividade como coordenadora da biblioteca escolar da EB 23 de Azeitão, cargo que desempenhou durante nove anos.
Em 2004 concluiu o Curso de Formação Especializada – Bibliotecas Escolares/CRE Formação em Contexto, pela Escola Superior de Educação de Setúbal. Neste momento, elabora a tese de dissertação subordinada ao tema A Liderança do Professor Bibliotecário à Luz do Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares, no âmbito do Mestrado em Gestão da Informação e Bibliotecas Escolares pela Universidade Aberta.
Desde 2006 que integra a equipa do Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares, onde desempenha o cargo de Coordenadora Interconcelhia.

A Gestão da Colecção e a Bibliotecas Escolar

A realidade das bibliotecas escolares tem sofrido muitas alterações nas últimas décadas. Passámos de espaço organizado em regime de acesso reservado e onde o livro tinha exclusividade para um novo espaço que proporciona o acesso à informação, quer através de recursos documentais físicos quer em ambiente digital e onde o professor bibliotecário desempenha o papel de gestor da informação.
Cada vez mais a gestão da colecção é uma prioridade na gestão da biblioteca escolar.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Biblioteca de Gonçalo M. Tavares

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA




A partir do mês de Novembro o escritor Gonçalo M. Tavares começa uma Biblioteca inédita na Biblioteca Municipal de Palmela.

À semelhança do conteúdo do livro Biblioteca, cada mês haverá dois textos literários inéditos da sua autoria, escritos a partir da sua própria leitura de outros escritores, produzidos especialmente para a BM de Palmela.

Os textos serão afixados em todas as Bibliotecas da Rede de Bibliotecas Públicas do Concelho de Palmela, e estarão disponíveis para os leitores coleccionarem.
Convidam-se todos os leitores interessados a produzir um texto-resposta (ou, em alternativa, um poema, um desenho, ilustração, fotografia, etc.) devidamente identificado, a entregar em qualquer das Bibliotecas Municipais do Concelho.

Estes leitores serão convidados-especiais para as sessões do Curso de Leitura e Imaginação, em 3 sessões, com Gonçalo M. Tavares, posteriormente anunciadas.

Este curso terá uma componente teórica e outra de exercícios práticos. Em Novembro os dois primeiros textos são sobre Alexandre O’Neill, veja aqui…

Gonçalo M. Tavares

Gonçalo M. Tavares nasceu em 1970. Foi Bolseiro do Ministério da Cultura — IPLB com uma bolsa de Criação Literária para o ano 2000, na área de poesia.

Em Dezembro de 2001 publicou a sua primeira obra: Livro da dança, na Assírio e Alvim.

Recebeu o Prémio Branquinho da Fonseca da Fundação Calouste Gulbenkian e do jornal Expresso com a obra O Senhor Valéry (publicado na Editorial Caminho em 2002) e o Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, com Investigações. Novalis (Difel).

Publicou O homem ou é tonto ou é mulher e A colher de Samuel Beckett e outros textos, ambos na Campo das Letras e adaptados para teatro.

Representado em antologias de poesia publicadas na Holanda («Hotel Parnassus, Poetry International 2002») e na Bélgica («Het laatste anker» — «O último refúgio — 300 poemas de todo o mundo sobre a morte», Lannoo/Atlas), e editado em revistas inglesas e americanas.

Traduzido para italiano com um conto inserido na antologia «Racconti senza dogana» — «Jovens escritores para a nova Europa» (Gremese Editore).

No grupo OuLIPO (França) foi realizada, em 2003, uma leitura de algumas histórias de O Senhor Valéry (com tradução e leitura de Jacques Roubaud).

Ainda em 2003 publicou O Senhor Henri (Caminho).
O Senhor Valéry foi traduzido para francês, com um prefácio de Jacques Roubaud, e editado em Setembro de 2003 na «Joie de Lire».

O ano de 2004 assitiu ao crescimento do «Bairro» com o lançamento de O Senhor Brecht e O Senhor Juarroz.

Publicou os romances: Um homem: Klaus Klump, em 2003 e A máquina de Joseph Walser (2004) na Caminho. Em 2005 publica, também na Editorial Caminho, a obra vencedora de dois prémios, Jerusalém.

Vencedor, em 2004, do Prémio LER/Millenium BCP.Vencedor, em 2005, do Prémio Literário José Saramago.

As obras de Gonçalo M. Tavares encontram-se traduzidas nos seguintes países:

Brasil, Espanha, Índia (inglês), Itália, Suiça (françês)

Obras publicadas:

O Senhor Valéry
O Senhor Henri
O Senhor Brecht
O Senhor Juarroz
Aprender a rezar na Era da Técnica
Os Amigos (infantil)
Os Dois Lados (infantil)
Um Homem: Klaus Klump
A máquina de Joseph Walser
Jerusalém
Água, Cão, Cavalo, Cabeça
O Senhor Kraus
O Senhor Calvino
O Senhor Walser

In: Editorial Caminho

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

By Night - Serão na Biblioteca

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



O "By Night – Serão na Biblioteca" é uma actividade recreativa que pretende proporcionar uma forma diferente de passar um serão. No caso específico procurámos organizar um conjunto de actividades que ilustrem as comemorações do Halloween, procurando ao mesmo tempo desencadear nos jovens o afecto pelo acto da leitura.

As plantas na primeira globalização

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



As implicações da primeira globalização fazem-se sentir ainda hoje. Ela tornou acessíveis ao conhecimento europeu as Américas, a Índia, o Sião, a China, o Japão e outras longínquas paragens. Transformou o Oceano Atlântico num verdadeiro mare nostrum da civilização ocidental e outros oceanos, mares e destinos em percursos conhecidos, descobertas de outros povos e culturas, de novos aromas e sabores. A relevância dos descobrimentos portugueses é indiscutível e indissociável deste processo cujos efeitos irreversíveis perduram no tempo.

Ler mais

sábado, 17 de outubro de 2009

Acção de Formação - À conversa com António Fontinha, o Contador de Histórias

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA E GRUPO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES DO CONCELHO DE PALMELA



Acção: À Conversa com o contador António Fontinha
Formador: António Fontinha
Destinatários: Comunidade Educativa
Local: Auditório da Biblioteca Municipal de Palmela
Dia: 27 de Outubro
Hora: 15h00 – 18H00
Organização: Grupo de Bibliotecas Escolares do Concelho de Palmela

Aceitam-se inscrições através do e-mail:
ou pelo telefone:
212336638

António Fontinha nasceu em Lisboa, viveu em Angola até 1975 e iniciou-se na prática de contar histórias em 1992. Em 1995, rendido aos encantos da narrativa oral, trocou a carreira de actor pela de contador de histórias: “É uma alegria sentir que nos escutam, que no embalo das palavras mergulhamos, partilhando a aventura”.
A base do seu repertório são temas da tradição oral portuguesa e, paralelamente à actividade de narrador, tem feito recolha de contos tradicionais por todo o país.

Lavrando a terra

Uns mais, outros menos, todos temos vivências, passagens, contos... Narrativas que facilmente são partilháveis oralmente.
O objectivo deste encontro é entretermo-nos um pouco com a brincadeira de contar... E deitar o rabo do olho ao imaginário da tradição oral portuguesa.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Teatro Infantil

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO PINHAL NOVO



A equipa de Animação Infanto-Juvenil da Rede Municipal de Bibliotecas Públicas do Concelho de Palmela convida a assistirem à peça de teatro infantil "O Rapaz de Bronze", baseada no conto de Sophia de Mello Breyner.

Dia 26 de Setembro pelas 21h15 no Auditório Municipal de Pinhal Novo.
Entrada livre.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Conversas com a Escrita: Estórias (Para Adultos) Infantis

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



Conversas com a Escrita com Xico Braga
Lançamento do livro "Estórias (Para Adultos) Infantis"
Dia 26 de Setembro, pelas 16 horas, na Galeria Augusto Cabrita - Fórum Cultural do Seixal

Nota biográfica

Nasceu em 1950.
Professor desde 1979, desenvolveu a sua actividade, durante vinte anos, no Concelho do Seixal. Dedicou-se à divulgação da fotografia nas escolas, promovendo Cursos de Iniciação e a realização de Exposições e encontros com fotógrafos. Foi um dos responsáveis pelo jornal da escola Moinho de Maré “O Celeiro”, tarefa que o encantou.
Em 1998, depois de um enfarte, lembrou-se de que queria “ser escritor quando fosse grande” e escreveu o seu primeiro livro de poesia, acreditando que seria o único. Como continuou por cá, foi escrevendo e desafiando amigos para a escrita. Recebeu a medalha de Mérito Cultural, da Câmara Municipal do Seixal, em 2004. Em 2005, descobriu que é giro ser avô e o prazer de escrever estórias para crianças.
Não consegue perdoar que tenham fechado a sua escola. Nem outras coisas.

Das Estórias (Para Adultos) Infantis

Estes sete contos de Xico Braga, mais os dois poemas que os acompanham (o primeiro, talvez, com inspiração na poesia erótica de Bocage e ao gosto popular) não escondem qualquer ambiguidade — o título diz tudo: Estórias (para adultos) infantis. Destinatários escolhidos e intenções expressas, como ocorre na subversão narrativa de O Lobo e o Capuchinho Vermelho e Outras Histórias Eróticas Escritas por Mulheres (mulheres que são autoras de renome, como George Sand), ou nas Histórias Tradicionais Politicamente Correctas de James Finn Garner.

Estórias (Para Adultos) Infantis de Xico Braga são essencialmente relatos onde Eros, tão só uma componente, irrompe como que por casualidade e, com a mesma discrição que chega, com a mesma discrição se consuma e o autor passa a outra história, uma outra, e outra ainda para… adultos infantis. O primeiro conto desenvolve-se em torno de uma lição de vida sobre a urbanidade e lisura que se deve considerar nas relações fazendo jus ao adágio popular: “ovelha que barrega perde o bocadel”; lição aprendida e tem depois o animal pasto que o satisfaça. Se assim não fosse, dificilmente as personagens de Estórias (para adultos) infantis teriam para contar e, “inglória, inglória” (ao inverso do que dizem os contadores tradicionais), não havia nem fim, nem história. O conto “A mesa de cozinha” desperta na imagética cinéfila memórias do filme O carteiro toca sempre duas vezes. Toca sempre duas vezes, para não deixar de ser ouvido; como Xico Braga, não com dois mas com estes sete contos e um par de poemas, não pode deixar de ser lido e de continuar a escrever. Pode-se reencontrar nestas histórias uma certa ludicidade, uma plenitude satisfeita, talvez porque, como no imaginário das histórias para crianças, também os adultos precisam de encontrar na leitura um espaço de evasão, de tranquilidade reencontrada. E estes contos não transmitem tanto uma “tensão libidinosa”, mas antes um sorriso de cumplicidade indulgente ou ironia pelos contextos e desenvolvimentos destas pequenas narrativas. Mas a idealização nostálgica ou construída da infância não visa o reencontro com um tempo sem pressões e com a crença na possibilidade de materialização de desejos? Se Estórias (para adultos) infantis é um título que pode fazer cócegas à curiosidade do leitor, o livro lê-se com tranquila satisfação. Nele tudo decorre sem dramas, sem excitações, sem comprometimentos (e decorrentes complicações e catarses), como se a naturalidade do espaço de entorno de cada narrativa se plasmasse nos encontros e relacionamentos que se sucedem.

Estórias (Para Adultos) Infantis são cuidadosamente pescadas à linha, com um anzol que, nestas páginas, indiferentemente vai prendendo, em momentos sensuais, os protagonistas: artistas, pessoas comuns, tainhas, redes de um bordado e, reiteradamente, o próprio leitor que fica, tal como a personagem do conto “O meu sorriso”, refastelado, “coçando a alma com a revisão de alguns poemas acabadinhos de escrever”. Histórias bem-humoradas, onde se pressente a presença do “era uma vez”, do tempo do faz-de-conta, do que existia sem sombra de pecado, sem sombra de SIDA e outras assombrações que não fossem as urgências de uns biscates, uns apertos de dinheiros ou vagas incertezas de emprego. Toda uma irrealidade difusa, como aquela que só na infância se pode percepcionar e que, no mundo a sério, o dos crescidos, não tem já lugar. Alguma coisa aqui Xico Braga tinha de escrever para adultos, mas saiba-se lá se o fez! Tal como convenções artísticas se quebram, como géneros literários se diluem e fundem, também a heterogeneidade entre jovens leitores e leitores adultos se esbate. E interrogamo-nos: então, isto é que são histórias para mim, que sou adulto? Tal como a tradição, as coisas também já não são como eram. Se calhar, estas histórias são mesmo para adultos infantis, porque outros, no fundo, não há, e gente adulta, verdadeiramente a sério, pode lá embarcar na suspensão da realidade que, a cada passo, irrompe na escrita e na arte!

Vera Silva

Eu vi um esquilo azul

“A natureza favoreceu-me, e os inexplicáveis olhos verdes com que nasci – a genética nunca entrou nas tentativas de explicação que o meu bairro encontrou para este facto –, depois do longo treino que lhes dei até à perfeição deste meu meio franzido olhar, têm explicado o meu sucesso entre as benditas das mulheres. Nenhuma me escapa, se é que me entendem! quando lhes lanço a mirada. Aguço-lhes a vontade de se fazerem encontradas comigo e, muito à conta disso, tornei-me exímio pé de dança em tudo o que é baile das colectividades das freguesias ao redor do meu umbigo. Muita maminha atarraxei ao meu peito a dançar esses slows inventados para nos atazanarem ainda mais o desejo, se isso é possível! e muita maminha pus ao léu em posteriores encontros de combinação segredada entre a dolência dos compassos. Por aqui me fico, por enquanto. Tenho esta fama, e proveito! de irresistível. Uma outra qualidade também explica o meu sucesso: eu não sou um gabarola. Não escondo, mas não exibo as minhas conquistas. A minha intimidade, essa, é tabu. Todas as moças que catrapisco sabem que, o que vivemos, comigo morre. É qualidade, a arte de guardar segredo. Aprendi-a à minha custa, em duas valentes bofetadas que o bruto do pai da Teresa me pregou, depois da minha rábula exibicionista entre os meus amigos. Tinha eu treze anos e partia para a descoberta dos prazeres que os corpos das mulheres encerram desde que a Eva, em bendita hora! se atreveu a comer a proibida maçã. A Teresa! Que será feito dela? Foi para Beja com os pais, há uns bons anos, e nunca mais a vi. Que pena! Era tão linda! Que treze anos de promessas ela mostrava, fazendo-nos, a todos, andar pelo beicinho, no nascer dos nossos primeiros amores de quase adolescentes. “Eu vou beijá-la toda” disse eu, em desafio. “Uma aposta que não consegues”. Foi assim, neste tom de mostrar quem é que é bom, que eu me aventurei a confiar na força do meu olhar esverdeado e a lançar-me na aventura de conseguir uma encontro com a Teresa, na casa dela, depois das aulas, com a esfarrapada desculpa de ela me ajudar num trabalho de Geografia. Ela percebeu logo, pois quando, fechada a porta nas minhas costas, lhe peguei na mão e a puxei para mim, foi ela que lançou os lábios contra os meus e se apertou a mim, acendendo-me um fogo nunca antes sequer imaginado.”

Xico Braga

Autores Locais > Xico Braga

Novas actividades

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA

Tendo em vista a celebração do seu 20º aniversário, a biblioteca prepara-se para apresentar um conjunto de novos serviços que visam chegar cada vez mais perto da população, envolvendo-a de forma cada vez mais activa nas nossas iniciativas.
Informamos, pois, que se encontram desde já abertas as inscrições para o Clube de Escrita, que terá início na próxima terça-feira dia 29 de Setembro pelas 21h30 na Biblioteca.
Já no dia 31 de Outubro, iremos organizar uma mini-maratona de contos, pelo que desde já aceitamos inscrições para contadores e amantes da narração oral.
Para mais informações sobre estas duas actividades, entre em contacto connosco através do 269450082 ou magnuspetrus@gmail.com

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Xadrez Cultural

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO PINHAL NOVO




Átrio exterior da Biblioteca Municipal de Pinhal Novo

19 e 26 de Setembro / 15h30

Demonstração de várias modalidades:
Bodycombat, Bodypump, Spinning...

Comunidade de Leitores: Rui Zink

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO PINHAL NOVO

Comunidade de Leitores com Rui Zink
30 de Setembro a 9 de Dezembro - Quartas-feiras - 21 horas

Sessões:

30 de Setembro
14 de Outubro
28 de Outubro
11 de Novembro
25 de Novembro
9 de Dezembro



Nasceu em Lisboa em 1961. Escritor e Professor no Departamento de Estudos Portugueses da Universidade Novo de Lisboa.
Conhecido ensaísta, tradutor, ficcionista.
Realizou trabalhos de investigação sobre Banda Desenhada, Caricatura e Ilustração.
Autor de uma obra diversificada, com títulos como, por exemplo, Hotel Lusitano (primeiro romance), Apocalipse Nau, O Suplente, Os surfistas ou o Destino Turístico, o seu último romance (2008).
A sua obea está traduzida para uma dezena de línguas.
Introduziu os cursos de escrita criativa em Portugal.
Em 2009 ocupou a cadeira Hélio e Amélia Pedroso / FLAD na Universidade de Massachussetts Darmouth.

Programa das Sessões:

Mário de Carvalho - Os Alferes - Caminho, 1984. ("Era uma Vez um Alferes")

Teresa Veiga - História da Bela Fria - Cotovia, 1992. ("Consequências do Processo de Descolonização")

Miguel Vale de Almeida - Quebrar em Caso de Emergência - Olhapim, 1996. ("Uma Razão para Tudo")

Inês Pedrosa - Fica Comigo esta Noite - Dom Quixote, 2006. ("A Cabeleireira")

Miguel Esteves Cardoso - As Minhas Aventuras na República Portuguesa - Assírio & Alvim, 1990. (reedição 2006)

Alberto Pimenta - Discursos sobre o Filho-de-Deus - Teorema, 2000.

A participação na Comunidade de Leitores implica inscrição prévia numa das Bibliotecas da Rede ou através do telefone 212 336 632.

Formação de Utilizadores

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA

A Rede Municipal de Bibliotecas Públicas do Concelho de Palmela promove, entre os meses de Setembro e Dezembro, um conjunto de acções de formação, dirigidas aos utilizadores dos diferentes serviços e de faixas etárias diversas.
A 25 de Setembro e 27 de Novembro, entre as 19 e as 21h30, são promovidas visitas guiadas às Bibliotecas Municipais de Palmela e de Pinhal Novo, respectivamente, com o objectivo de dar a conhecer os serviços prestados e as normas de funcionamento, bem como alguns elementos relacionados com as práticas biblioteconomicas.
O Catálogo On-Line da Rede Municipal de Bibliotecas é o tema da última acção, nos dias 30 de Outubro e 18 de Dezembro, também entre as 19 e as 21h30, e integra a visita ao espaço web da Divisão de Bibliotecas, aos serviços disponíveis e ao catálogo, com a análise e exploração dos mecanismos de pesquisa.
A inscrição deverá ser feita em qualquer equipamento da Rede de Bibliotecas. Mais informações através do telefone 212 336 632.
A formação de utilizadores mais autónomos é um dos objectivos da Rede de Bibliotecas, que «fornece as condições básicas para uma aprendizagem contínua, para uma tomada de decisão independente e para o desenvolvimento cultural dos indivíduos e dos grupos sociais» (Manifesto da IFLA/ UNESCO sobre Bibliotecas Públicas, 1994).

Exposição "Voto Uma Arma do Povo"

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE PINHAL NOVO

A nossa biblioteca acolhe a exposição "Voto Uma Arma do Povo" até dia 17 de Outubro.




Cedida pela Comissão Nacional de Eleições, esta mostra, com uma forte dimensão pedagógica, pretende reavivar a memória de um período conturbado da história recente portuguesa aos que o viveram e mostrar às novas gerações a riqueza iconográfica e documental das primeiras eleições livres e justas (a eleição da Assembleia Constituinte de 1975). De acordo com o comissário da exposição, Manuel Villaverde Cabral, são duas as mensagens essenciais que se pretendem transmitir: «recordar em traços largos o processo político e social, através do qual se cumpriu a promessa de eleições livres, feita desde o primeiro momento, pelo Movimento das Forças Armadas, quando pôs termos a perto de meio-século de ditadura, e chamar a atenção para a importância crucial que a isenção e o rigor postos nos procedimentos eleitorais têm na legitimação do acto, dos resultados eleitorais e na sua aceitação por todos os concorrentes».A exposição “O voto – uma arma do povo” poderá ser visitada durante o horário de funcionamento da biblioteca, às terça- feiras, das 10h30 às 19h00, às quartas-feiras e sábados, das 14h00 às 19H00, e às quintas e sextas-feiras, das 10h30 às 19h00.

História do Jazz

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE PALMELA

A Biblioteca Municipal de Palmela recebe, no dia 18 de Setembro, às 21 horas, a apresentação do Livro “História do Jazz”, de José Duarte. Na iniciativa - onde o livro estará à venda por um preço especial, e que integrará uma sessão de autógrafos - o autor passará e comentará algumas músicas por ele consideradas fundamentais.
“História do Jazz” é composto por uma primeira parte (organizada sobre os principais movimentos, por ordem cronológica), uma cronologia de 1917 a 2009, integrando os principais eventos ligados ao jazz e integrados noutros eventos do mesmo ano, além de informações biográficas e sugestões sobre o mundo do jazz. Uma obra acessível e profusamente ilustrada, escrita por uma das principais figuras portuguesas da divulgação do jazz.
José Duarte nasceu em Lisboa, em 1938. Foi fundador do Clube Universitário de Jazz de Lisboa, em 1958, ano em que iniciou a sua actividade na rádio com o programa “Jazz esse Desconhecido”, na Rádio Universidade.
A actividade de divulgação e educação para o jazz tem prosseguido até hoje, com destaque para o lendário “Cinco Minutos de Jazz”. Os programas “Pão com Manteiga”, “À Volta da Meia-Noite” e “Abandajazz”, “A Menina Dança?” e “Jazz com Brancas”, a par dos programas televisivos na RTP2 “Outras Músicas” e “Jazz a Preto e Branco”, completam esta sua faceta.
Autor de múltiplas conferências e das bio-discografias dos músicos portugueses no New Grove Dictionary of Jazz, membro de júris, editor do site http://www.jazzportugal.ua.pt/ e professor auxiliar convidado da Universidade de Aveiro e do respectivo Centro de Estudos de Jazz desde 2002, José Duarte foi galardoado, em 2004, com a Medalha de Mérito Cultural do Ministério da Cultura, com a Medalha de Honra da Sociedade Portuguesa de Autores, em 2005 e, em 2008, com a Medalha Municipal de Mérito-Ouro da Câmara Municipal de Lisboa.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Conversas Com a Escrita com Pedro Pinto, para apresentação do livro O Último Bandeirante

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



Conversas Com a Escrita com Pedro Pinto
Apresentação da obra O Último Bandeirante

12 de Setembro de 2009 às 18h00 na Galeria Municipal Augusto Cabrita
Biblioteca Municipal – Fórum Cultural
Câmara Municipal do Seixal

Nota Biográfica

Pedro Pinto é coordenador e apresentador do Jornal Nacional da TVI desde 2000 e jornalista desde 1997. É formado em Relações Internacionais, pela Universidade Autónoma de Lisboa e mestre em Desenvolvimento e Cooperação Internacional pelo ISEG. É professor na Universidade Autónoma de Lisboa desde 1996, sendo responsável pelas cadeiras de Integração Económica e de Jornalismo. É coordenador da Pós-Graduação em Televisão e professor convidado em diferentes mestrados.

Do romance O Último Bandeirante

O gosto pela História e pela aventura e a curiosidade por um herói português desconhecido dos portugueses – António Raposo Tavares – aliados ao desafio colocado pela Esfera dos Livros para escrever o romance, levaram Pedro Pinto a estrear-se na escrita com um romance empolgante que nos leva ao Brasil do século XVII.
Numa visita ao Brasil, um enorme quadro do tamanho de toda uma parede, à entrada do Museu de Arte de São Paulo, fez despertar no autor uma grande curiosidade sobre o maior bandeirante de todos os tempos, considerado um dos grandes responsáveis pelas actuais fronteiras do Brasil.
Nascido em Beja, em 1598, António Raposo Tavares chega a terras de Vera Cruz, já com 20 anos, acompanhando o seu pai, governador da capitania de São Vicente. Após o desgosto pela perda da mulher amada e do filho que ambos esperavam, dá início à aventura de uma vida ao comandar a sua primeira bandeira.
Mas é em 1648, que Raposo Tavares, já com cinquenta anos, aparece no comando de mais uma bandeira de duzentos paulistas e mil índios, encetando uma jornada de 12.000 km, percorridos durante três longos anos, em condições sobre-humanas, do sertão até à belíssima Amazónia, a fim de engrandecer Portugal e os Portugueses e que pode ser colocada ao nível das dos grandes navegadores, conhecidos de todos nós.
“Esta é uma história de um grande português, injustamente esquecido pela memória colectiva, que fez uma viagem notável por terras exóticas e desconhecidas, cheias de mitos de riqueza e de maldição, por entre a oposição dos jesuítas e as agruras da natureza, que se aventurou por onde nunca ninguém tinha estado e foi decisivo para que a Amazónia e grande parte do território do Brasil tivessem passado a pertencer a Portugal e não a Espanha”… palavras que Pedro Pinto utiliza para incentivar a leitura do seu primeiro romance, onde encontramos aventura, exotismo, paixão, traição e ambição.

Excerto da obra

Quando Raposo Tavares atacou a Missão jesuíta de Jesus Maria, o seu objectivo era conquistar a região do Tape em nome da Coroa portuguesa e destruir o sonho do Superior Diego de Trujillo, seu inimigo de longos anos. Estava longe de imaginar que começava ali uma corrida de vida e morte à maior bandeira de sempre em terras do Brasil.
Com as mãos sujas de sangue, a roupa a cheirar a queimado e milhares de índios aprisionados, Raposo Tavares, o maior bandeirante de todos os tempos, regressou à vila de São Paulo. Podia, finalmente voltar a sua casa, ao fabrico das suas estranhas infusões, ao desenho dos seus mapas e aos braços apaixonados de Maria Teresa.
Mas a partida estava novamente marcada. Era altura de regressar ao mato, de definir as controversas fronteiras de Tordesilhas, que opunha Portugueses e Espanhóis, e procurar um sonho de extraordinárias riquezas que não era o seu: o Eldorado que todos ambicionavam encontrar.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Ver e Olhar

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



Ver e Olhar
Um percurso para uma literacia do olhar

De 22 de Setembro a 24 de Outubro na Biblioteca Municipal do Seixal

Ver e Olhar, tem por objectivo desafiar e seduzir o olhar para além da mera impressão. Detendo-se no seu percurso, os visitantes, autonomamente ou integrados em visitas acompanhadas e apoiadas por materiais pedagógicos podem, a partir do olhar, ver, descobrir e projectar interpretações em obras relevantes da História da Arte.

Em Ver e Olhar pode-se, de forma interactiva e participada, explorar diferentes possibilidades de leitura e descoberta pelo olhar, detendo-o entre as mensagens explicitas e implícitas nas obras de arte que reportam narrativas, pensamentos filosóficos, estéticos e sociais a ele(a)s associado(a)s. Facultamos ao público que nos visita auxiliares pedagógicos no entorno da pintura e da expressão artística e cultural, com a finalidade de despertar interpretações criticas, outros olhares e novas abordagens.

O conceito de Ver e Olhar não é, de todo, procurar reconstruir um pequeno percurso cronológico pela história da pintura, mas antes quebrar essa diacronia associando, tematicamente, representações pictóricas de vários períodos e movimentos artísticos que permitam ilustrar perspectivas de abordagem e exploração sob a égide do tema de cada painel.

Ver e Olhar enquadra-se no âmbito da promoção das leituras, visando uma literacia visual para a pintura que, tal como a literacia textual, carece de um domínio de códigos, símbolos e conhecimento do potencial das técnicas aplicadas, que conferem à pintura uma sintaxe e gramática próprias. A diferenciação de abordagens destinadas aos vários públicos será feita no âmbito das visitas acompanhadas a Ver e Olhar.

Ver e Olhar: Actividades Educativas

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Apresentação pública do livro O Saciar das Aves, de Fernando Fitas

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



10 de Julho de 2009 às 21:30 nos Refeitórios da Mundet, Seixal

Apresentação pública do livro O Saciar das Aves, de Fernando Fitas.
Apresentação por Paulo Sucena
Leitura de poemas, pelo actor José Vaz
Participação de Grupo Coral e Etnográfico do Feijó

Biografia

Fernando Fitas nasceu no Alentejo, em Novembro de 1957.
No início dos anos sessenta os seus pais decidiram rumar até Lisboa, em busca de uma vida melhor, situação que o levou a ingressar na Casa do Ardina, onde fez a instrução primária.
Foi nas páginas d’O Ardina (jornal mensal editado por esta instituição) que iniciou a sua actividade jornalística, posteriormente prosseguida em O Século.
Após o encerramento deste matutino assumiu as funções de correspondente da agência polaca interpress para a imprensa regional portuguesa. Em simultâneo, colaborou com vários jornais.
Com o aparecimento das rádios locais, colaborou numa das emissoras do concelho do Seixal, na qual, ao longo de vários anos, teve a responsabilidade pela emissão de vários programas de âmbito cultural.
Em 1978, editou o seu 1º livro de poemas, intitulado Canto Amargo, oito anos mais tarde publica Amor Maltês a que se seguiu, em 1992, Silêncio Vigiado.A sua expressão escrita não se limita, no entanto, à poesia, estendendo-se também à ficção e à narrativa. Exemplo disso é Cantos de Baixo, novela editada em 1989.
Em 1991, fundou o quinzenário Outra Banda, o qual dirigiu até Maio de 1997, ano em que dá à estampa Mar da Palha, volume em que colige uma série de crónicas e reportagens feitas durante esse período. Nesse mesmo ano foi convidado a colaborar na fundação do matutino 24 Horas. Colaborou posteriormente no semanário Tal & Qual.
Embora tenha frequência do antigo Curso Geral do Comércio, assume-se como um autodidacta por vocação e necessidade.
Actualmente está a realizar, para a Câmara Municipal do Seixal, um projecto no domínio da recolha e preservação de memórias e vivências de pessoas ligadas às colectividades deste concelho, denominada Histórias Associativas – Memórias da nossa memória, trabalho que se traduzirá numa edição de três volumes, cujo primeiro, dedicado às filarmónicas, já está editado.
Em Abril de 2008 publicou O Saciar das Aves, obra poética que assinala os seus trinta anos de actividade poética. Essa obra tem capa e ilustrações do Mestre Louro Artur.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Programa de Verão 2009 - Animação Infanto/Juvenil

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA



JULHO

"TEATRADAS E GARGALHADAS"
Atelier de Teatro
Público-Alvo: 6 aos 12 anos
2ªs Feiras - Dias 6, 13 e 20
Biblioteca Municipal de Palmela das 10h30 às 12h00
Biblioteca Municipal de Pinhal Novo das 15h00 às 16h30
Sujeito a inscrição na Sala Infantil

"VAMOS DESCOBRIR A ARTE"
Ateliers, Jogos e Passatempos
Público-Alvo: 6 aos 12 anos
4ªs Feiras às 15h00
Dia 8 - Biblioteca Municipal de Palmela
Dia 15 - Biblioteca Municipal de Quinta do Anjo
Dia 22 - Biblioteca Municipal de Pinhal Novo

"HORA DO CONTO"
Público-Alvo: 0 aos 100 anos
5ªs Feiras
Dia 2 - Biblioteca Municipal de Pinhal Novo - 10h30
Dia 2 - Biblioteca Municipal de Quinta do Anjo - 15h00
Dia 9 - Biblioteca Municipal de Palmela - 11h00
Dia 9 - Pólo da Marateca - 15h30
Dia 16 - Biblioteca Municipal de Palmela - 11h00
Dia 16 - Biblioteca Municipal de Pinhal Novo - 15h30

AGOSTO

"TEATRADAS E GARGALHADAS"
Atelier de Teatro
Público-Alvo: 6 aos 12 anos
2ªs Feiras - Dias 17, 24 e 31
Biblioteca Municipal de Palmela das 10h30 às 12h00
Biblioteca Municipal de Pinhal Novo das 15h00 às 16h30

"VAMOS DESCOBRIR A ARTE"
Ateliers, Jogos, Passatempos
Público-Alvo: 6 aos 12 anos
4ªs Feiras: Dia 19 às 15h00

"HORA DO CONTO"
Público-Alvo: 0 aos 100 anos
5ªs Feiras - Dia 20
Biblioteca Municipal de Pinhal Novo às 11h00
Biblioteca Municipal de Quinta do Anjo às 15h30

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Poesia em Destaque na Biblioteca de Palmela

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA



A chegada da Primavera inspirou a realização de mais uma sessão livre de poesia na Biblioteca Municipal de Palmela, no dia 22 de Maio, às 21h00. Denominada “Estação das Palavras”, esta iniciativa convida, a cada estação do ano, os poetas, leitores e ouvintes de poesia a partilhar o seu talento e criatividade.

A Biblioteca de Palmela acolhe, ainda, no dia 21 de Maio, às 21h00, uma Conferência sobre Natália Correia, onde será apresentada a vida e a obra da escritura, e feita a leitura de textos a cargo de Armando Nascimento Rosa, dramaturgo e professor da Escola Superior de Teatro e Cinema. Esta última iniciativa é uma organização conjunta da Câmara Municipal de Palmela e do Teatro “O Bando”.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Rosa Lobato de Faria na Biblioteca de Setúbal

BIBLIOTECA PÚBLICA MUNICIPAL DE SETÚBAL


A próxima reunião do Grupo de Leitura da Biblioteca Pública Municipal de Setúbal que se realiza no dia 30 de Maio de 2009 pelas 17h00 nas instalações dos Serviços Centrais na Av.ª Luisa Todi contará com a presença da escritora e actriz Rosa Lobato de Faria.

A escritora deslocar-se-à Biblioteca a convite dos participantes do grupo de leitura que ali se reune mensalmente. O motivo próximo do encontro é a discussão do seu mais recente romance intitulado As esquinas do tempo (Porto Editora 2008) que tem sido objecto de leitura pelos participantes durante o mês de Maio.

A biblioteca de Setúbal deixa o convite à participação de todos neste encontro bem como nos gurpos de leitura que promove e que relembra:

Grupos de leitura da Biblioteca Pública Municipal de Setúbal

Grupo de leitura: o que é?
O Grupo de Leitura é constituído por um grupo de pessoas que se reúnem regularmente para compartilhar as suas experiências de leitura.
Geralmente escolhem um livro que todos lêem e depois trocam impressões sobre a sua leitura. Não se trata de discussões intelectualizadas sobre teoria e técnica literária, mas sim de partilhar opiniões e ideias para continuar a aprender pela vida fora.
Há grupos de leitura que se especializam em determinado género mas a escolha do tipo de literatura é geralmente livre e espontaneamente escolhida pelo grupo.

Do que se fala?
Fala-se da reacção ao livro: Gostámos muito? Não gostámos? Foi-nos indiferente? Porquê?
Foi particularmente interessante? O livro veicula uma mensagem? Gostámos do autor?
A discussão pode por vezes ser mais estimulante se não gostou do livro. Perdeu o interesse no livro? Porquê? As personagens? A própria história? As personagens parecem-nos reais? Com quem simpatizamos mais? Há uma parte ou cena mais marcante?

Quais são as vantagens?
A grande vantagem de pertencer a um grupo de leitura reside em tornar uma actividade essencialmente solitária como é a leitura num acto social de partilha de ideias, opiniões e emoções. A participação num grupo de leitura também quebra a solidão e melhora a sua vida social.

Qual é o número de participantes?
O grupo tem idealmente entre cinco e dez participantes. É assim que funciona melhor, de forma mais informal, amigável, próxima e participativa.

Como participar?
Basta inscrever-se e ler os livros escolhidos pelo grupo. Mesmo que não tenha lido o livro na totalidade pode participar, fazer perguntas, debater ideias. Falar não é obrigatório embora seja desejável. Os mais reservados podem escolher a discrição.

Quantos são os grupos de leitura da Biblioteca Municipal de Setúbal?
A Biblioteca Pública Municipal de Setúbal promove mensalmente dois grupos de leitura. Um grupo que se reúne no serviços Centrais na Av.ª luísa Todi em Setúbal e outro que se reúne em Azeitão no Pólo Sebastião da Gama.

Quando reúnem os grupos de leitura?
Os Grupos de leitura reúnem mensalmente ao sábado às 17h00, geralmente no último sábado de cada mês. No entanto outra data pode ser acordada pelo grupo. De qualquer modo é sempre divulgada no Guia de Eventos da Câmara Municipal de Setúbal e no Programa da Biblioteca.

Qual a duração das reuniões?
As reuniões duram entre um a duas horas conforme a vontade dos participantes

Quais são os contactos:

Grupo de Leitura de Setúbal
Moderadora: Dr.ª Lígia Águas
Biblioteca Pública Municipal de Setúbal
Av. luísa Todi, 188 2904-515 Setúbal
Telf. 265 537 240
ligiaaguas@bpms-munsetubal.com.pt

Grupo de Leitura de Azeitão
Moderador: Orlando Esperança
Rua de Lisboa, n.º 11 2925-558 Azeitão
Telf. 212 188 398
orlandoesperanca@bpms-munsetubal.com.pt

terça-feira, 21 de abril de 2009

Danças e Contra Danças Para Pais e Filhos

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA



Na Biblioteca Municipal de Palmela realizar-se-á um Workshop para Pais e Filhos, dinamizado pelo Estúdio de Actividades Expressivas Danças e Contra Danças.

Dia 20 de Junho pelas 15h30 na Biblioteca Municipal de Palmela.

Compareça.

Comemorar o Dia 23 de Abril - Dia Mundial do Livro

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA

Este ano a RMBP irá assinalar o Dia Mundial do Livro, oferecendo livros aos leitores. Trata-se de livros usados, e em bom estado, que pertencem ao conjunto dos livros doados à biblioteca e que por razões várias não é possível incluir na colecção.

Julgamos ser uma boa forma de dar um bom uso aos livros e é um convite à LEITURA.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

O Livro em Festa

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



A Biblioteca Municipal do Seixal, em parceria com a Junta de Freguesia de Amora e Divulgação, promove a 4.ª edição de O Livro em Festa – a feira do livro do Seixal.

A Feira terá lugar no Jardim do Fogueteiro, Amora, entre os dias 18 de Abril e 3 de Maio, e contará, como sempre, com diversas actividades.

Consulte o programa da feira e esteja atento aos passatempos no site da Câmara Municipal do Seixal e à oferta de cupões de desconto em livros no Boletim Municipal do Seixal.

Não falte a esta grande festa do livro!

Horário – de Domingo a 5.ª feira – 10h00 às 22h00 / Sextas, Sábados e vésperas de feriado – 10h00 às 23h00

Data início – 18 de Abril, às 17h30
Data fim – 3 de Maio, às 22h00

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Exposição Etnográfica

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA




Encontra-se patente até ao próximo dia 16 de Abril, a Exposição Etnográfica do 30º aniversário do Rancho Folclórico 5 Estrelas de Abril .

Constituída por 38 figuras utilizadas pelo Rancho nos últimos 30 anos, a exposição é um verdadeiro convite a viajarmos por algumas das mais tradicionais figuras do nosso concelho.


Aberta todos os dias, das 9h30 às 19h e sábados das 10h às 13h.

Apareça!

quinta-feira, 19 de março de 2009

Comemorações do Dia da Árvore e Dia Mundial da Floresta

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



1. Ideias com Luz: Concurso de Fotografia, centrado no tema “O Homem e a Árvore”

A exposição colectiva do projecto Raízes, a Vida Secreta das Árvores, terá lugar na Biblioteca Municipal do Seixal, de 21 de Março a 9 de Abril de 2009, correspondendo à mostra colectiva dos trabalhos realizados pelos participantes.

Entrega dos Prémios: 21 de Março
Local: Espaço Jovem da Biblioteca Municipal
Horário: 16:00

2. Jornal Temático: Actividade dirigida à comunidade escolar do Concelho do Seixal para redacção de jornais subordinados à temática “Os impactes do Homem no verde no Concelho do Seixal"

Parcerias: Biblioteca Municipal do Seixal, Divisão de Ambiente e Escolas Básicas 2 e 3 Ciclos e Secundárias
Data: A decorrer durante os mês de Março
Destinatários: Alunos das escolas Básicas 2 e 3 Ciclos e Secundárias
Nota: Está prevista a realização de uma exposição para divulgação dos trabalhos a concurso no Espaço Jovem

3. Ateliê “Como secar folhas e flores”

Local: Ludoteca da Biblioteca Municipal
Data: 21 de Março
Horário: 15:00 – 16h:00 / 16:00 – 17:00

4. Hora do Conto: Animação de Leitura para Crianças

Local: Espaço Júnior da Biblioteca Municipal
Data: 21 de Março
Horário: 16:30

Comemorações do Dia Mundial da Água

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



Exposição Sopro de Água
Homenagem a Fontes, Chafarizes e Correntes de Água

Pintura de Manuela Justino
Técnica Mista

21 de Março a 11 de Abril de 2009
Inauguração: 21 de Março às 16:30


Sopro de Água é um projecto originalmente concebido para homenagear fontes, chafarizes e correntes de água de Castelo Novo, terra de origem e pertença da pintora Manuela Justino que se deixou tocar por estas presenças naturais ou construídas e pela cultura material e simbólica que as envolve. A imagética da pintora projecta-se nestes espaços e é agora seduzida pela Baia do Seixal que se oferece à captura e construção de olhares.

As obras do ciclo Sopro de Água encontram no Seixal, por ocasião do Dia Mundial da Água, também um tempo e lugar de vocação e destino para aportarem num enquadramento feliz: a Baia do Seixal e o seu incessante e cambiante movimento de água, luz, vida e cores e a Biblioteca Municipal, um local pleno de livros e saberes, onde é possível matar a sede de palavras e de olhares nas telas de Manuela Justino, que podem ser visitadas tendo por fundo a dimensão e presença da Baia onde um pequeno rio desagua e a imensidão do Tejo preenche.

A água, tal como as palavras, tem a plasticidade e a capacidade de fluir, de rasgar e abrir caminhos, nunca deixando nada como antes. Diz-se mesmo que, depois da palavra dita, nada permanece igual. Assim é, quer com a água dos rios que contorna as dificuldades e chega ao seu destino, quer com a pintura de Manuela Justino. Telas de uma textura, materialidade e cromatismo que captam também esta força impressiva e persistente da água nativa e essencial que a Câmara Municipal do Seixal tem agora o maior prazer em acolher e oferecer ao olhar dos visitantes.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Conferência "A Poesia Portuguesa na Década de 1950"

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA


O poeta e tradutor Pedro Tamen realiza uma conferência, no dia 19 de Março, às 21h00, na Biblioteca Municipal de Palmela, subordinada ao tema "A Poesia Portuguesa na Década de 1950".
Nesta conferência, Pedro Tamen fará uma viagem a uma década particularmente importante da poesia portuguesa, abordando o papel de revistas como Távola Redonda, Serpente, Contraponto ou Unicórnio e os seus respectivos criadores/poetas; e ainda o grupo do “Gelo” e os franco-atiradores da segunda metade da década…

quinta-feira, 12 de março de 2009

Apresentação do livro A memória, a Obra e o Pensamento de Maria Lamas

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



27 anos, a 6 de Março de 1982, a Câmara Municipal do Seixal homenageou Maria Lamas, com uma exposição bibliográfica e evocativa da sua vida e obra, e recebendo-a na Sociedade Filarmónica Timbre Seixalense.

Esta homenagem atraiu inúmeras pessoas que valorizavam o trabalho literário e de intervenção cívica de Maria Lamas, em prole da democracia e dos direitos da mulher.

Estas foram algumas das suas palavras:
“Existem ainda, infelizmente, muitas desigualdades em prejuízo da Mulher, quanto a condições de trabalho, como às condições de vida. É forçoso e urgente que essas desigualdades desapareçam! Para isso temos de nos unir todos na mesma luta.”

No dia 14 de Março, pelas 16h00, será apresentado o livro A memória, a obra e o pensamento de Maria Lamas, textos que reflectem sobre a dimensão feminista, humanista, jornalística, política e literária da sua obra, um legado de conhecimento, intervenção e arte.

A apresentação será feita pela dirigente do MDM, Regina Marques, que é uma das autoras do livro.

quarta-feira, 4 de março de 2009

Passatempo Augusto Carlos

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



Participe no passatempo e ganhe livros de Augusto Carlos.
Para mais informações consulte o site da Câmara Municipal do Seixal.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Sessão livre de poesia

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA

Sessão livre de poesia
Todas as estações do ano são Estações das Palavras - palavras de que é feita a linguagem, a poesia, a vida humana.

Em cada estação convidamos os poetas, aprendizes de poetas, leitores e ouvintes para um serão na Biblioteca Municipal de Palmela.

A primeira sessão de poesia tem como estação envolvente o Inverno.

Venha partilhar a sua poesia.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Atelier de expressão dramática e musical

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA




ATELIER DE EXPRESSÃO DRAMÁTICA E MUSICAL

Inscreve-te na Sala Infantil e descobre como funciona

Inicio dia 6 de Fevereiro
6ª Feiras das 14h00 às 16h00
Público-alvo: Crianças a partir dos 6 anos

O Carnaval na Biblioteca é que está a dar...

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA


Dia 21 de Fevereiro

Biblioteca Municipal de Pinhal Novo
15h00

O CARNAVAL NA BIBLIOTECA É QUE ESTÁ A DAR…

Vem à Biblioteca e entra no espírito de Carnaval, podes fazer uma pintura na cara um penteado e ainda podes escolher um adereço para seres fotografado.
Traz um amigo para todos juntos dançarmos…

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

40 Anos do Movimento Democrático de Mulheres: Uma história com futuro

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL


















No âmbito das Comemorações do Dia Internacional da Mulher, a Biblioteca Municipal do Seixal irá ter patente uma exposição gentilmente cedida pelo MDM (movimento democrático de mulheres), que tendo celebrado os 40 anos de existência em 2008, pretende sensibilizar as mulheres para intervenção na defesa dos seus direitos.

A inauguração desta exposição decorrerá no dia 28 de Fevereiro, pelas 16h00.

Contamos com a sua presença.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Mar Imenso

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL


Apresentação pública do livro Mar Imenso, de Augusto Carlos

No dia 7 de Março, às 17h00, irá ser apresentado o livro Mar Imenso, de Augusto Carlos, na Galeria Municipal Augusto Cabrita.

Excerto do livro

"Conta-se que talvez o desassossego de espíritos de antigos reis e príncipes, que terão reinado durante o império de Gaza, tenha levado a alguns acontecimentos trágicos. Há quem lhe chame o Síndrome de Gaza (província de Moçambique) – pano de fundo desta narrativa.
Mar Imenso é uma história de ligações entre povos e espaços. É o retrato deste mar por vezes conturbado que liga povos e continentes e que um dia confrontou portugueses e moçambicanos, Europa e África.
Acima de tudo, Mar Imenso é a união entre dois povos e a amizade que, após as adversidades, aflorou.”

Romance editado pela Nova Vaga Editora

Biografia do autor

Augusto Carlos nasceu em 1955, em Gaza, Moçambique.
Formou-se em Engenharia, frequentou o curso de Filosofia, iniciando um processo de descobrimento e reflexão que o levaria à escrita.
Augusto Carlos revela-se assim ao mundo em 2005, com a idade de 50 anos e uma vida de histórias e reflexões sobre as pessoas e o mundo em torno.
Escritor pródigo e acarinhado por todos aqueles que o lêem, publicou já oito livros de imenso sucesso, onde procura com a magia dos contos e histórias africanas entender o lugar da história na vida das pessoas, a sua identidade e relação com os locais onde nasceram.
A escrita mágica de Augusto Carlos está alicerçada na memória de um país imenso, estando sempre presente a necessidade de compreender quem somos, o que fazemos e aquilo que nos move.
Casado, com dois filhos já adultos, Augusto Carlos vive actualmente na região de Sintra, procurando o Amor como forma de nos levar ao Bem, fonte de Felicidade.

Bibliografia do autor

- As Micaias de Manuna
- Vovô Tsongonhana (vovô pequenino)
- Os Madalas de Marracuene (os velhotes de Marracuene)
- Teoria e Método de João do Mundo
- O Flamingo da Asa Quebrada e outras histórias
- Caricaturas da Discórdia
- O Caroço da Manga

www.augustocarlos.com

Encontro com Gonçalo M. Tavares

REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PALMELA


sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Círculo de Leituras

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL



Círculo de Leituras
Encontros de leitores, às 16 horas

Próximas sessões:

24 de Janeiro
O Vendedor de Passados
José Eduardo Agualusa
(sessão dinamizada por Manuel Nunes)

28 de Março
O Vermelho e o Negro
Stendhal
(sessão dinamizada por Guedes Jacinto)

6 de Junho
O Lobo das Estepes
Herman Hess
(sessão dinamizada por Carlos Amaral)

7 de Novembro
Ligações Perigosas
Cordélio de Laclos
(sessão dinamizada por Vera Silva)

Animais na ponta dos dedos

BIBLIOTECA MUNICIPAL DO SEIXAL














Animais na ponta dos dedos
Para assinalar as Comemorações do Dia Mundial do Animal, em 2008 a Câmara Municipal do Seixal organizou um conjunto de actividades, procurando sensibilizar a população em geral para a problemática do abandono do animal doméstico e a consequente necessidade de adopção. As acções desenvolvidas contribuíram para a organização desta exposição, que é, com enorme prazer compartilhada agora convosco.

A exposição que apresentamos é o resultado das acções desenvolvidas no ateliê Vamos Desenhar Animais, da responsabilidade de Mafalda Paiva, e no Workshop de Graffiti, dinamizado por Gonçalo Ribeiro.

Ler mais sobre o projecto...